quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sessão inesquecível


Malditas férias escolares. Por que eu tenho que entrar em shopping para ir ao cinema??? Por quê???? Inferno!
Ontem eu fui no cinema do Royal, com a Manuela, para ver Inimigos Públicos, do famosinho diretor Michael Man, que dirigiu Colateral, que eu não gostei muito. Mas, enfim, a gente não foi ver o filme por causa do diretor, e sim por causa do Johny Deep, óbvio. E o que a gente não aguenta por um Johny Deep...
Foi uma sessão tumultuada. Adolescentes (sim, eu já fui uma, mas não frequentava shoppings), que não devem ter conseguido entrar nas sessões do Harry Potter, resolveram ver o nosso filme que não é uma produção para este tipo de público. O resultado foi teens conversando e dando risadas durante a sessão. Santa Paciência!. Na metade do filme, teve gente que resolveu ir embora. Outros resolveram dar uma volta lá fora e voltar. E foi um entra e sai durante o filme que me deixou muito, mas muito irritada, muito mau humorada!!. Prejudicou minha atenção ao filme, que tinha alguns detalhes que mereciam um olhar mais atento.
Ha, por favor!!! Por que as pessoas não se informam sobre os filmes que querem ver no cinema? Parece que entram na primeira sala aberta que vêem pela frente só porque é férias e precisam fazer alguma coisa. Por que não vão a qualquer lugar onde possam conversar? Tem que ser no cinema? Não entendo!! E agora, ainda por cima, prorrogaram as aulas nas redes municipal e estadual.
Tudo bem, a sessão era as 16h de uma quarta-feira, mas isso não justifica tamanha bagunça com entra e sai permitido pelos administradores do cinema.
Tirando esses detalhes, gostei do filme.
(na foto, eu e a Manuela, antes de iniciar a sessão, quando a gente achou que ia ser tranquilo)

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Um show de violino

Ouvir um dos melhores violinistas brasileiros, Harry Schoroeter Filho. Foi isso que fiz ontem à noite, no Theatro Treze de Maio. O Recital de Música Clássica Francesa foi promovido pela Associação de Cultura Francesa Les Amis de La France.
Eu gosto de música clássica, mas não parava para escutar há muito tempo. Isso e mais o fato da entrada ser franca me motivaram a ir no Recital. O Theatro estava praticamente lotado, inclusive com muita gente jovem.
O violinista, formado na UFSM, realmente deu um show de habilidade. Meus conhecimentos de violino são ridículos, mas posso afirmar que o tal Harry realmente é o cara. Esbanjou habilidade e técnica no violino. Teve uma hora que acho que arrebentou uma corda do instrumento. Empolgado, ele "destruía" o violino a cada composição tocada. Acho que foi uma experiência mais visual e sensorial do que auditiva. Não sei explicar. Não era tão agradável de ouvir, mas despertava a atenção os acordes que Harry conseguia tirar daquele violino que ficava tão pequenino em seus braços.
Lembrando que o violinista foi acompanhado pelo pianista Alexsander de Lara que também era muito bom. Debussy, Ravel, Saint-Saëns e Massenet foram os compositores interpretados.
Uma noite interessante.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Chega de frio!!


Eu não suporto frio. Não mesmo. Meu humor fica mais variante do que já é. Apesar de ficar mais em casa, as coisas não rendem muito porque não aguento o frio de ficar sentada em frente ao computador, e sentada na cama, cheia de cobertas, não dá para fazer muita coisa como digitar trabalhos ou escrever. Por questões econômicas, não posso ficar com a estufa ligada o dia inteiro. Sair à noite só com muita disposição. Ai, fica tudo mais difícil, mais arrastado, mais demorado. Tem que colocar um monte de roupa de manhã e depois tirar tudo para tomar banho. Além disso, dá mais preguiça de fazer exercícios físicos. E os meus pés não esquentam, de jeito nenhum. Saco!!!! Quero o nordeste!
Eu não entendo essas pessoas que ficam perseguindo o frio animadamente. Procuram a cidade mais fria do Estado para "ver neve". Dããã! Como é que podem gostar de passar frio, gostar de sofrer. E fica todo mundo feliz vendo tudo branquinho, tudo congeladinho. Sim, o frio provoca paisagens bonitas, mas é só isso também. Ha, e tomar sopa e chocolate quente. Alguns prazeres de inverno.
Tudo bem que o calor em Santa Maria é insuportável e talvez no verão eu mude de ideia. Mas eu não quero mais frio!!! Chega!!
(esse aí da foto é o meu ursinho Dudu, curtindo um frio)

segunda-feira, 27 de julho de 2009

sábado, 25 de julho de 2009

Som & Fúria


Foram duas semanas acompanhando os capítulos com muito interesse e atenção. E ontem o último foi ao ar com gostinho de quero mais. Uma pena! É impressionante como a Rede Globo consegue produzir programas ridículos e sem-noção como Jogo Duro, Toma La Da Cá, Xuxa tudo, entre outros, e maravilhas como Som e Fúria, que, aliás foi realizado em conjunto com a O2 Filmes e direção de Fernando Meirelles. Histórias interessantes, humor, drama, bom texto, bom elenco, tudo em Som e Fúria parece ter sido cuidadosamente criado e pensado para oferecer uma narrativa inteligente, de qualidade. Sem falar que trabalhar com textos de Shakespeare já é por si só instigante. Ler o Macbeth e acompanhar o que foi falado sobre a peça na minissérie foi bem interessante.
De vez em quando a televisão aberta nos brinda com produções iluminadas como Som e Fúria, assim como foi com Capitu, Hoje é dia de Maria, entre outros seriados que trazem diretores de fora, de fora da Rede Globo e de sua lógica circular novelística.
A Taty Py, em seu blog, escreveu um bom texto sobre a minissérie Som e Fúria. Vale a pena ir lá conferir.

...

Um sorriso, um gesto, uma palavra... Há pessoas que passam pela vida corrida...e cativam...com sinceridade, cativam...

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Programas radiofônicos


Gosto de ouvir rádio. Tanto AM quanto FM. Quando levanto cedo, durante as aulas, em alguns dias da semana, eu escuto a Rádio Santamariense e a Imembuí no meu superradinho (foto), pois as rádios AM não pegam no mp3. Ao meio dia, gosto de ouvir o programa Sala de Debates da Antena 1, falecida CDN. Muito bem mediado pelo jornalista Claudemir Pereira, o Sala reúne de quatro a cinco debatedores diferentes a cada dia, que falam sobre os mais diversos assuntos como cultura, trânsito, política, saúde etc. Dependendo do dia, e, claro, dos convidados presentes, é bom de ouvir.
Agora comecei a ouvir outro programa da Antena 1, o Jogo de Cintura, que está sendo transmitido há umas duas semanas, eu acho. Bem mediado pela jornalista Caroline Abelin, o programa é um Sala de Debates feminino, só com a participação de mulheres como debatedoras. São artistas, professoras, enfermeiras, empresárias, entre outras profissionais, que estão ali para discutir assuntos sérios e leves, de segunda a sexta-feira, das 19h às 20h. A exemplo do Sala, o programa ganha qualidade nas discussões dependendo de quem está participando naquele dia. Há dias muito ruins, como um dessa semana em que as convidadas ficaram falando sobre cachorros durante quase meia hora, e dias muito bons como ontem quando a mulherada falou sobre a complexidade dos relacionamentos amorosos. Outro ponto positivo do programa são os intervalos comerciais bem curtinhos ao contrário do Sala de Debates em que a propaganda, necessária, eu sei, toma muito tempo e quebra com as discussões.
Parabenizo a rádio Antena 1 e demais responsáveis pela produção desses programas que falam sobre coisas da cidade e permitem a interatividade com o público. São programas que procuram ser plurais na escolha dos convidados, visto que ouvimos opiniões diversas sobre um assunto. Sim, há muitos convidados que falam besteiras, na minha opinião, mas é preciso conviver com todo tipo de pensamento e isto os dois programas têm proporcionado ao ouvinte.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Palimpsesto 1


Ontem eu fui na Sala Dobradiça, espaço anexo ao Macondo Bar, conferir a primeira exposição Palimpsesto 1 (do grego antigo: "riscar de novo"), que reúne trabalhos ligados ao designe de estampas produzidas por sete convidados: Braziliano, Cabra Montéz, Carlos Donaduzzi, Juan Manuel Ruétalo, Mariana Sanchéz, Santiago Hermida, Raquel Weber. O trabalho está muito interessante. A curadoria é da Alessandra Giovanella e Elias Maroso. A exposição permanece lá até o dia 08 de agosto - depois vem outras - e fica aberta nos dias de funcionamento do Macondo, das 23h à 1h. Vale a pena ir lá olhar e sentir o trabalho destes artistas. Não sou entendida de artes, mas gostei muito.
O blog da sala é o http://saladobradica.blogspot.com.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Gribada

Estou resfriada. Mas NÃO é a gripe A; não tive febre. Meu irmão é médico; qualquer coisa tenho a quem recorrer. Quando reclamo de gripe, ele só me manda tomar água. "Toma água, toma água, Silvana".
Essa semana, a cada um que me perguntou se estou gripada, já fui dizendo que não é a gripe do porco. Saco!
Não aguentava mais ficar em casa, me recuperando. Hoje fui no cineclube, tossi, espirrei e não fui expulsa do recinto. Ufa!! Aliás, tinha um monte de gente igual a mim, dando tossidinhas no meio do filme.
Droga de RS, por que tenho que viver no frio?
Paciência...

terça-feira, 21 de julho de 2009

todo mundo se isolando

Nossa!!!Ouvi no rádio hoje que cancelaram o Festival de Inverno da UFSM! Também estão cancelando shows, como o do Rafinha Bastos que iria ocorrer mês que vem no Park Hotel Morotin. O pessoal está meio apavorado pelo jeito...Será que eu também deveria estar? Até estou resfriada essa semana, mas não é a gripe A. Passo boa parte dos meus dias em casa, mas não vou deixar de sair à noite, num barzinho, por exemplo, por causa dessa gripe. Ha, não vou mesmo!
ok, há pessoas morrendo, principalmente no RS onde as vítimas fatais já somam 11. Os jornais têm se preocupado em fornecer detalhes sobre a gripe, sobre as vítimas, sobre o que as autoridades estão fazendo. Mesmo assim, ainda não me assustei, não fui comprar uma máscara. Aliás, essa semana li um texto que me enviaram por email dizendo que a gripe A rende boas manchetes e boas fotografias por causa das pessoas usando máscaras.
Mas essa política de cancelar eventos será que é realmente eficiente? Tudo bem que no Festival de Inverno vem gente de tudo quanto é lugar, mas isso é suficiente para cancelar o evento? Sei lá...as pessoas gripadas com a A não devem circular por aí. Realmente, não sei o que pensar...Se eu for seguir os veículos de comunicação, vou ter que ficar isolada no meu quarto. Até que não ia ser ruim...eu poderia adiantar trabalhos acadêmicos, dormir e ficar mais tempo na Internet, hehe. As pessoas já andam um pouco isoladas socialmente. Agora, com essa gripe, então....
Divagações...

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Mudanças familiares


Quase uma semana sem postagens. Que horror!! Perdi o ritmo. Nem sei sobre o que escrever aqui. Aliás, sei. Vou fazer um post familiar, como outros que fiz, afinal, na semana que passou, fiquei envolvida com a big family. E não falo por mal, porque adoro isso. Fazer fofocas, ouvir novidades, contar novidades, dar risadas, brigar, discutir, ouvir conselhos e discordar de tudo, xingar os irmãos ou ganhar no grito as coisas. Eu amo tudo isso!!
E na semana passada, algo muito importante aconteceu: depois de quase 25 anos morando no interior, em cidades pequenas, em ambientes rurais, meus pais se mudaram para Santa Maria. Foram 20 anos morando em uma chácara, em Restinga Seca, e três anos em Silveira Martins. E agora, em um apartamento em Santa Maria. E acho que eles estão felizes. Eu também fiquei feliz, afinal, estão morando bem pertinho de nós agora. Dá pra filar um almoço com mais frequência, fugir do meu quarto quando eu não aguentar mais. Também ficou mais prático de reunir todo mundo, e eles (pai e mãe) também poderão vir aqui no nosso apê quando precisarem.
Mas, mas, mas...há as desvantagens. Vou sentir saudade de sair de Santa Maria - porque às vezes me irrito muito de ficar aqui dias a fio - pegar um ônibus e admirar a bela paisagem até Silveira. Vou sentir saudades de andar pela pequena cidade e suas estradinhas. Vou sentir saudades do fogão a lenha do pai e da mãe (foto). Vou sentir saudades de comer bergamotas no pátio da casa, dormir com absoluto silêncio e acordar ouvindo os passarinhos. Do frio que faz lá eu não vou sentir falta.
Tempos de mudanças...outras virão...

domingo, 19 de julho de 2009

Ausência

Caros leitores deste blog!!
Por "motivos de força maior" (adoro essa expressão), abandonei o blog por alguns dias. Meus pais se mudaram, tive que trabalhar, fiquei alguns dias sem Internet, algumas distrações demasiadas, enfim...E também não aconteceu nada de muito revolucionário na cidade...
Peço desculpas a todos por esta ausência...
Daqui a pouco estou voltando...

terça-feira, 14 de julho de 2009

Manhã Transfigurada, o nosso longa!!


Ontem eu fui ver o tão esperado, tão comentado, tão propalado, e tão...demorado, Manhã Transfigurada, o primeiro longametragem santa-mariense, ahá!!!! SM está podendo!!!
Achei que ia ver um filme inocentezinho e me deparei com um filme que não teme mostrar cenas de nudez, sexo e romances envolvendo a Santa Igreja.
O filme, dirigido por Sérgio Assis Brasil, é baseado no livro de Luis Antonio de Assis Brasil. Eu li desse autor o fantástico e maravilhoso Concerto Campestre, que também virou um filme, bem ruinzinho, por sinal. O Manhã Transfigurada eu não li, mas fiquei com vontade de ler depois de assistir ao filme do Sérgio. Nas duas obras, Concerto e Manhã, as protagonistas são moças muito jovens que externalizam seus desejos reprimidos em ambientes bucólicos opressores.
E por falar em protagonista, Manuela do Monte interpreta Camila no Manhã. Eu adorei a Camila. Linda, divertida, moderníssima para sua época; mas também um pouco contraditória: perdeu a virgindade antes do casamento arranjado pelo pai, sonha em casar com um homem que ama, mas também quer um homem objeto, para se divertir na cama. Camila é um misto de mulher fogosa, donzela, louca varrida e ingênua.
As atuações do filme são boas, com exceção do ator que interpreta o capitão Miguel, o marido de Camila. Gostei muito do Rafael Sieg no papel de Bernardo, o sacristão seduzido por Camila. E a Denise Copetti, interpretando a ajudante Laurinda, traz leveza e certo humor para uma história com final trágico.
O filme é meio chato no início, mas depois fica interessante. As imagens externas são muito bonitas; A igreja de Arroio Grande é mostrada várias vezes para marcar o contraste com os pecados de Camila, reforçando a conexão entre a moral cristã e o comportamento pagão da moça. Inclusive, algumas cenas da igreja parecem se repetir, acho que intencionalmente. Não gostei muito dos cenários internos; decoração carregada demais. O figurino também me incomodou um pouquinho, não curti muito as roupas, alguns penteados da Camila... Hahaha, nem devia estar dando pitaco sobre isso, porque não entendo bulhufas de figurino. Ha, tem outra coisa! No meio do filme, há cenas gravadas tipo "câmera na mão", sem corte entre dois personagens conversando. Achei legal, mas também meio estranho porque o filme é de época, meio formal, sei lá...
Enfim, resumindo, o filme é bom de ver. Primeiro, porque acaba o mistério do filme Manhã Transfigurada; Segundo, porque vemos na telona uma produção santa-mariense, resultado do trabalho de pessoas que ralaram bastante para que a produção fosse finalizada. Empenho que merece ser louvado, sim! Meus parabéns a toda a equipe do Manhã Transfigurada!!

Cinema - Ver o Manhã também foi minha estreia nos novos cinemas do Royal. o shopping-fantasma. Salas muito boas, tudo muito confortável, som bom, mas a imagem do filme não tava legal; pouco nítida. Não sei se era da tela ou da película em questão.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A cobertura do Dia do Rock em SM

Ainda sobre o evento de ontem, a Razão foi o único veículo impresso (acho que só temos dois) que publicou hoje uma matéria sobre o Dia do Rock em SM, que reuniu bastante gente na rua. O jornal deu uma nota na contracapa com uma foto minúscula, mas um bom texto.
O Diário só vai dar a matéria amanhã, terça-feira, de um evento que aconteceu no domingo à tarde. Quanta agilidade! O pior não é isso. Não entendo para que serve o diario online lançado recentemente. Nem uma notinha sobre os shows no online, nem ao menos um registro nos DOIS blogs culturais que falam sobre música, o Blog do Zoom e o Blog do Grings. Tudo bem dar uma matéria maior na terça-feira, mas por que não colocar um registro nos blogs, no domingo mesmo? Não foi para isso que foram criados? Para dar mais agilidade na cobertura das coisas? Entrei hoje nestes dois blogs certa de que encontraria algo sobre os shows de ontem e só o que encontrei foram vídeos e vídeos do you tube e notas da Internet sobre Roberto Carlos e Michael Jackson. Definitivamente, não dá pra entender. Na Faculdade a gente aprende que jornalismo on line está associado à rapidez, agilidade, imediaticidade...

domingo, 12 de julho de 2009

Bandas na sacada do Santa Ceva

Hoje à tardinha, fui com o Eduardo nos shows de comemoração do Dia do Rock em Santa Maria. Neste ano, as apresentações ocorreram na sacada do Bar Santa Ceva, na rua Astrogildo de Azevedo. E estava muito bom! Quando chegamos, a banda "Os Marias", que eu gosto muito, estava se apresentando. Depois, Nocet e Pilla empolgaram o público que não se incomodou com o frio e ficou até quase 20h na rua.
Os shows foram promovidos pelo Santa Ceva, Itapema FM e Secretaria de Cultura do Município. Um bom público compareceu e curtiu bastante. Uma pena que os fios de luz que atravessavam a sacada do Bar atrapalhavam um pouco a visão das bandas.
Bem legal essa iniciativa. Ano passado, os shows foram realizados no Largo da Locomotiva e juntou bastante gente. Há uma carência desse tipo de evento na cidade.
Abstenho-me de falar das bandas porque "não entendo nada de música", hehe.
A foto desde post é de Eduardo Barreto (Duda, para mim; Paciência, para muitos).

sábado, 11 de julho de 2009

O MP e a feira

Bom, já que não entendo nada de música, vou falar sobre outras coisas das quais eu também tenho dúvidas se entendo ou não. Afinal, não dizem que jornalistas são generalistas? Acham que sabem de tudo um pouco, mas talvez não saibam nada, hehe.
Eu fiquei intrigada com esse cancelamento da Feira do Cooperativismo em SM Apesar do Diário de SM ter puxado o saco do MP, na coluna Aparte, e de ter restringido tudo a questões partidárias, eu acredito que o Ministério Público não precisava ter feito o que fez. O MP mandou até fiscal ir lá no local da Feira para conferir se realmente o evento não estava acontecendo. Engraçado que para umas coisas o MP é ágil e eficiente. Não vejo esta agilidade em relação a outras questões. Acho que desta vez o MP não agiu pelo interesse social. Poxa, ônibus de vários estados do País já estavam a caminho de SM. Quero ver como vai ser agora com os outros eventos, como o Claudemir já vem comentando em seu sítio.
Aliás, não concordo com a o que a coluna Aparte fala sobre a prefeitura. Eu não acho que a Prefeitura ficou em cima do muro. O município fez o que tinha de fazer: ouviu todo mundo, ponderou e resolveu apoiar a realização do evento depois do cancelamento das caravanas da Argentina e do Uruguai. Como sempre, a imprensa diz amém a tudo o que o Ministério Público diz.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Libélula da discórdia

Este Jornal do Almoço da RBS local é hilário. Quando eles inventam de levar músicos ao estúdio, então! Muito engraçado! (e não sei se é para ser engraçado). A banda levada ao ar na edição de hoje era primorosa. De ruim. Fizeram uma paródia de "I will survive" e depois mostraram seu "talento". O nome da banda era "Libélula Negra!" (Nossa!!!!) e eles se intitularam como uma banda eclética que toca "de tudo".
A impressão que tenho é que não há critério nenhum para se tocar naquele estúdio e aparecer para uma quantidade considerável de pessoas. Se estiver disponível e batucar qualquer coisa, vai.
Tudo bem que televisão não é sinônimo de qualidade, mas, poxa, até o Garagem do Faustão faz uma seleção mínima para levar as bandas para tocar lá no programa. Acho que o critério do JA é "a banda vai se apresentar em algum lugar da cidade ou região então vamos chamar". É cada coisa que é colocada no estúdio, que dá medo. E o pior que já vi também bandas boas se apresentarem horrivelmente lá; sim, porque não dá para levar todos os instrumentos, daí tem que improvisar com um violão, um pandeiro e se virar no gogó. O resultado, muitas vezes, não fica dos melhores. É óbvio que já vi coisas muitos boas e admiro a criação de um quadro musical no telejornal.
Tudo bem, mas as apresentações ruins poderiam ser compensadas com uma boa entrevista. Boa entrevista? A improvisação é total. Os entrevistadores não se preparam. Hoje eu ouvi o cara falar em música "nativa" ao invés de "nativista"; Uma vez a banda "Outhouse" virou "Outside" na fala do apresentador(a). Dá para notar que além do entrevistador nunca ter ouvido nada da banda, também não se informou sobre nada, chegou lá e tascou pergunta. Tudo bem que, na correria, se faz isso no jornalismo, mas entrevista em estúdio, ao vivo, o entrevistador fica exposto e as perguntas não são editadas.
Gosto de ver o Jornal do Almoço e assisto todos os dias, mas a parte musical está capenga.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Livro


Acabei hoje de ler "Venenos de Deus, Remédios do Diabo", do Mia Couto. Muito bom. É sobre um médico português que vai para uma pequena vila africana atrás de uma mulher. Mas ela não aparece...e muitas coisas são ditas ao médico sobre o paradeiro da moça. Ao final, terminamos o romance sem saber se tudo o que foi dito sobre a mulher ao médico foi verdade ou mentira. A história tem muitos conflitos familiares...dramas, crimes, doenças, enfim, coisas da vida...
Ei, essa sinopse que eu fiz ficou muito podre. Peço desculpas. Eu não sei resumir livros que li. Eu ia até contar o final. O que interessa é que é bom e pronto.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Sonata em PB Maior, no Monet


Muitos que me conhecem sabem que tenho uma família relativamente grande. Muitos tios e primos. Meus primos trabalham nas mais diferentes áreas. A Juliana Copetti Hickmann é a minha prima artista plástica e nessa quinta-feira, dia 09, ela vai estar expondo seus trabalhos no Espaço Monet Plaza Arte. A vernissage será as 18h30 e a exposição fica por lá até o dia 31 de julho.
Sonata em PB Maior é um projeto da Juliana aprovado pela Secretaria de Cultura/MASM. A Ju me passou algumas informações técnicas sobre a exposição.
O memorial descritivo da exposição diz assim:

Sonata em PB Maior é uma série de desenhos feitos a guache preto sobre papel branco. A monocromia assim gerada é em analogia às partituras presentes nos trabalhos, que trazem elementos da música como tem.
Partiram do encantamento com diversos aspectos da música, e do anseio de atrelá-la a sua dimensão imagética. Se ouvi-la de olhos fechados, o que se poderá ver? A possibilidade de "ver" música se inverte na possibilidade sinestésica de "ouvir" desenhos. Sustentados por esta motivação, marcam presença figuras inerentes ao tema, conduzindo-se a composições de força e equilíbrio.
Entre violões, pianos e violinos, suas respectivas partituras ali interagem, pretendendo-se inteligíveis e gradualmente escolhidas em conformidade com a música que se deseja levar ao espectador.

Fiquei tri curiosa para ver estes trabalhos. E estendo o convite da vernissage a todos. Parabéns Juliana!

terça-feira, 7 de julho de 2009

Fraudes jornalísticas

É...os jornalões brasileiros estão se superando mesmo. Primeiro a Folha de S. Paulo publica uma ficha falsa do DOPS, da ministra Dilma Roussef. O jornal recebeu a ficha, manipulada digitalmente, por email e não revelou a fonte. Fraude pura para atingir a ministra. Cheguei até a escrever um artigo, no Mestrado, falando desse caso da Folha. Agora, acabo de ler na página do Claudemir um comentário sobre a matéria maldosa publicada no domingo pelo jornal "O Globo". O título da matéria era "A República sindicalista instalada na Petrobras” na qual o jornal fala de 22 gerentes, de um total de 4 mil, da Petrobrás que tem histórico sindical. Só que o jornal omite o fato dos funcionários citados serem concursados, com mais de 20 anos de carreira. O blog da Petrobrás dá uma resposta a altura e critica a postura do Globo. "tenta-se desqualificar os profissionais por seu passado sindical sem qualquer dado objetivo que embase tal tese. Um dos pilares do jornalismo – a objetividade – é deixado de lado. A opinião – que deveria estar restrita aos artigos e editoriais- permeia todo o texto, destaca o blog. É...daqui por diante, vai ser só pauleira...O desjornalismo está tomando conta. Não há como fechar os olhos para tanta sacanagem...triste! Ainda bem que temos tantos outros meios de comunicação que andam assustando estes jornalões!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

sobre o que...

Sobre o que escrever...sobre a gripe A? sobre as várias páginas tratando de padres publicadas pelo Diário neste fim de semana? sobre a matéria mal apurada também do Diário tratando da prefeitura de Silveira Martins? sobre os cinco minutos do JA local destinados a um padre? sobre o novo programa da Antena 1? sobre o lançamento (enfim!!!) do Manhã Transfigurada? sobre o mercado aberto aos domingos? sobre o cancelamento da Feira do Cooperativismo? sobre artes públicas que quase são proibidas por quem deveria incentivá-las? sobre Neverland? sobre o funeral mais caro do mundo? sobre o twitter? sobre a mudança dos meus pais para SM? sobre meu artigo que está uma porcaria? sobre o sol? sobre a saudade?
Não sei, não sei...amanhã eu penso...

domingo, 5 de julho de 2009

O empenho de Alice


Este post é familiar. Fazia tempo que não escrevia sobre a big family. É que algumas coisas não podem passar em brancas nuvens. A Alice vai achar que eu estou puxando o saco dela, mas não se trata disso, Alice. A questão é que realmente eu estou admirada de ver a dedicação da Alice ao estágio dela na Escola Estadual Érico Veríssimo. Ensinar Biologia aos alunos não deve ser fácil. Essa guria estuda, faz planos de aula, prepara material, confecciona cartazes e, o mais legal: ela faz experimentos mirabolantes para levar na aula. Sim. É a Biologia em ação. O apartamento onde a gente mora virou um laboratório: tem pão mofando num canto, água apodrecendo em outro, insetos vivos em potinhos, gelatina de bactérias na geladeira. Dia desses a Lúcia, monstra, quase comeu a gelatina bacteriana. Atualmente há uma caixinha (foto) assustadora na cozinha. Dá medo de abrir. Tudo são experimentos que a Alice faz para levar na aula. É claro que alguns não dão certo. Quando os fungos não aparecem: frustração. Quando as bactérias se revoltam e não agem: raiva.
Ela se prepara muito para dar suas aulas; eu queria ter tido professores assim. Como explicar aos alunos a espermatogênese, o ciclo da bactéria, a formação de fungos? A Alice se preocupa muito em fazer com que os alunos entendam as coisas. Às vezes ela faz testes e pergunta pra mim e para a Lúcia algumas coisas e a gente não sabe, hehe. Alice, eu e a Lúcia não somos parâmetros.
Alice, além de Biológa, você já é uma ótima profe!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

a Feira da polêmica

É curioso ouvir o rádio de manhã sobre as notícias da gripe A, assim como ver o notiário na TV ou ler o jornal. Não aguento mais ouvir as mesmas coisas, os mesmos conselhos, os mesmos cuidados...ai, isso cansa...Qualquer coisa é motivo de polêmica. Ontem, a discussão era sobre a Feira Internacional de Cooperativismo da Irmã Lourdes. Autoridades da área da saúde chegaram a sugerir o cancelamento da Feira para evitar a aglomeração de pessoas de diferentes lugares. A organização do evento não quis o cancelamento, mas as delegações da Argentina, Chile e Uruguai não vem mais para participar. Ouvi agora à noite, na TV, que a Prefeitura não autorizou a realização da Feira Internacional de Cooperativismo, seguindo conselho do Ministério Público. Quanta precaução, heim? Bateu o pavor...Cancelar eventos é um pouco de exagero né? Não que eu faça questão de ir nesta Feira. Nunca fui, aliás, mas acho que ela é importante para todos os envolvidos e que a Prefeitura deveria apoiar.

Lencinho em todas as partes


A moda não anda tão diversa...Agora só se vê o lenço muçulmano sendo usado por todas as tribos, desde a burguesia até o underground...
Já enjoou...

quarta-feira, 1 de julho de 2009

UFSM "super-original"


Esse post é só para soltar veneno mesmo, porque hoje estou com um pouco de preguiça, hehe. É que há um tempinho notei que no Campus da UFSM, ao lado da União, há uma parede grafitada com a frase "Pra que(m) serve o teu conhecimento?"(foto). Pois é. A frase é legal né, instiga o pensamento, bla, bla, bla.
Só que esta frase ficou famosa em agosto do ano passado, em Porto Alegre. Alunos do DCE da UFRGS grafitaram a parede do edifício das Letras com o "Pra que (m) serve o teu conhecimento?". O caso rendeu uma baita polêmica porque um grupo de alunos acionou a Universidade dizendo que se tratava de depredação do patrimônio público, além da pintura ter sido feita sem autorização da instituição. O assunto foi muito discutido na época: uns dizendo que era depredação, outros dizendo que se tratava de uma manifestação interessante já que a frase leva a reflexão sobre a utilidade da formação universitária e do academicismo. Acabou que pintaram em cima da frase e hoje não sei como está. Não estou inventando. Podem olhar aqui.
Pessoalmente, achei interessante a iniciativa dos alunos da UFRGS de ter feito o grafite.
Causou-me surpresa ver a mesma frase na UFSM. Há tantas frases com pensamentos interessantes que podem provocar bons questionamentos. Por que pegar a mesma frase da UFRGS? Foi intencional? A ideia é lembrar o fato ocorrido na UFRGS? não entendi o porquê da imitação...