quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Globo e Cia em campanha contra Lula


Ai, que mau humor, que mau humor. Que horror os telejornais noturnos de hoje. Tanto o Jornal da Band como o Jornal Nacional estão realmente empenhados em detonar o governo Lula. É é explícito, não se preocupam mais em esconder as intenções. São nítidos os ataques. Hoje, como ontem, o alvo relacionado foi o MST. Promovem o "defensor da moral", ministro Gilmar Mendes que agora resolveu criticar o envio de recursos para ONGs "ligadas ao MST". Que carinha repugnante, arrogante e metido. Depois de soltar por duas vezes o Daniel Dantes, agora ele quer ser o defensor da moralidade pública e, para grande satisfação da mídia, ataca o MST. Nossa! É tudo que os meios de comunicação querem. Declarações em defesa da sociedade e da moralidade, se possível atacando o governo, é prato cheio para editorialistas tucanos. A Globo deu tanto destaque para a criminalização do MST, que deu uma longa matéria puxando como gancho a violência no campo e três assassinatos "cometidos por pessoas ligadas ao MST". O pior foi depois. O repórter disse que o movimento tem "relações amistosas com o PT e com o Presidente Lula". Mostraram imagens do Lula recebendo integrantes no início do mandato e colocando o boné do MST. Depois mostrou Lula abraçando José Rainha "condenado a a formação de quadrilha e assassinato". Nossa! a construção de sentido do JN realmente é espantosa. Só faltou chamar o próprio Lula de criminoso porque ele colocou o boné e abraçou um criminoso. E os ministros da Justiça e do Desenvolvimento Agrário "não quiseram falar". Bem feito. Não tem que dar trela mesmo. E o JN ainda noticiou, na mesma edição, a história do encontro dos prefeitos "que teria gastado nao sei quanto e configurado como campanha". Muito triste, muito triste mesmo. É nojento ver essas matérias, é nojento assistir como eles manipulam as notícias a seu bel prazer. Ainda bem que as pessoas não são burras e isso ficou comprovado quando Lula foi reeleito em 2002 mesmo sob fogo cruzado da grade mídia. Ainda há esperança.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

As bombadas do carnaval


O pior não é ligar a televisão e ver só carnaval, carnaval, carnaval. O pior é ver como esta bonita festa brasileira se transforma, pelo menos na TV, num festival de mulheres bombadas rebolando para as câmeras. Nada contra o rebolado. Estou criticando é a maneira como as mulheres são mostradas durante o Carnaval. Não são pessoas interessadas em samba e na própria festa. São corpos somente. Mas não basta serem somente corpos bonitos. Não pode ser branca e não pode ser flácida. Tem que ser bombada! A ex-belo Viviane Araújo (foto) parecia um homem de tão musculosa. Graciane Barbosa (atual do Belo), Adriana Bombom e muitas outras. Algumas só tinham cara de mulher porque o resto... Elas seguem a tendência Madonna que, viciada em academia perdendo inclusive o marido por causa disso, é virada em perna; nem bunda tem.
Sei que os desfiles pareciam concursos de fisiculturismo feminino, para saber quem é a mais bombada. Eu não julgo essas mulheres; se elas fazem isso é porque existe uma pressão social sobre elas, ainda mais para aquelas que sobrevivem disso, mas critico a superexposição delas na mídia. Na Avenida, elas acabam sendo as representantes oficiais das escolas; são as popstars das escolas. As desconhecidas - que ralam durante o ano e não tem tempo de ir numa academia - não têm vez. Quem brilha são as celebridades de músculos e sprays dourados. Não parecem ser mulheres verdadeiras. Parecem aqueles bonequinhos de plásticos musculosos de superheróis tipo o Rambo.
Ahá. Talvez seja inveja que eu esteja sentido das musculosas. Eu até faço um pouco de musculação, mas não gostaria de virar um ser muito masculino. Porque nessa busca pelos músculos, elas acabam perdendo sua feminilidade. Admiro uma Natália Guimarães que tem um corpão sem aqueles músculos todos. É...está difícil de ser mulher hoje em dia.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Lobisomens e carnaval


Bah. Está difícil de ler jornal ou ver TV em época de Carnaval. Tudo bem, eu entendo. Nessa época, tudo para, não há muitas notícias para inventar, as pessoas viajam, é difícil de achá-las. Acaba que as manchetes são as festas de carnaval, afogamentos em balneários, acidentes múltiplos e a febre amarela que ainda rende pautas.
Mas hoje, por favor. A RBS TV Santa Maria se superou. Produziram uma matéria longa sobre lobisomens. Quando vejo esse tipo de matéria eu me questiono sobre minhas noções de jornalismo. A gente costuma trabalhar com fatos e referências "reais" e lobisomen, digamos que sua existência ainda não foi devidamente comprovada. Acho que a idéia do Telejornal era brincar mesmo com o imaginário popular do lobisomen, pegando como gancho o caso de uma garota de São Sepé que diz ter sido atacada por um homem que fugiu correndo de quatro, como um cão. Hahahaha. Ai, ai...Tudo bem, a matéria até que ficou legal. Acho que estou sendo bem chatinha de criticá-la enquanto VT de um telejornal que se sustenta em divulgar diariamente notícias racionais. Por isso até, meu estranhamento.
E de tarde, lendo o Diário, poxa vida.! Na capa do Diário 2, fotos e mais fotos das musas do Carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo. Nossa, muito interessante! Alto interesse público. Será que não tinha mais nada para por na capa do caderno cultural? Pode até ser o tema carnaval, mas poderia então colocar um texto com uma outra perspectiva sobre esta questão das musas...
ok. Estou falando como leitora e ignorando que os jornalistas merecem uma folga no Carnaval, por isso acabam jogando qualquer coisa pra baixar as páginas o mais rápido possível e ir embora curtir um descanso merecido. Tá bem.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Brad Pitt velhinho em Benjamin


Ontem fui no cinema. Again. Desta vez fui com a Manu para ver "O curioso caso de Benjamin Button". Belo filme. Eu, que gosto de filmes tristes, melancólicos e românticos, fiquei muito satisfeita. Vale a pena ver...Acabei de ver na Internet que o filme levou os Oscars de melhor direção de arte, efeitos especiais e maquiagem. Realmente, o filme impressina nesses quesitos. Ver o lindo Brad Pitt ,velho, foi interessante. E ele passa assim, maquiado, idoso, velhinho, boa parte do filme. É claro que a gente fica apreensiva, louca para ver o Brad lindo e novo. E quando ele aparece tal como é: cochichos da mulherada no cinema: "credo, que lindo!" Inevitável. É claro que ele não é mais tão novinho, mas o filme também usa maquiagem para mostrar o personagem com 17, 18 anos. Acho que Pitt está muito bem no filme, atuação muito suave e discreta como pede o personagem Benjamin Button.
O filme tem uma narrativa bem interessante, aborda a passagem do tempo com reflexões e diálogos muito bons.
Cate Blanchett, como Dayse, está muito bem também. Sempre linda. Pra ver ela velha, cheia de pelancas e rugas só com maquiagem mesmo. É claro que a maneira como a história é contada, com Dayse, idosa, morrendo no leito do hospital, e sua filha ao lado lendo um antigo Diário que é de Benjamin, não chega a ser uma novidade, mas...enfim, no filme funciona bem. A fórmula traz um bom ritmo no andamento da história. E tem que ser assim, para uma película de quase três horas de duração. Mas a gente nem vê o tempo passar porque a história do Benjamin realmente prende. Gosto de filmes que comovem e emocionam. É um filme triste, mas muito emocionante. Fiquei com muita vontade de ler o conto do Scott Fitzgerald que inspirou o filme. Eu li o Great Gatsby dele e gostei. Aliás, a principal personagem feminina desse livro é Daisy, mesmo nome da personagem de Cate Blanchet no Benjamin.




sábado, 21 de fevereiro de 2009

O louco mundo do carnaval

Ai, o carnaval. Ame-o ou deixe-o. Para uns, a época de sambar, desfilar, exibir o bronze, passar cinco noites pulando, bebendo, paquerando, suando muito e ouvindo axé music, ivetes e afins. Legal, legal. Para outros é só mais um feriadão para descansar, ler, ir num bar ouvir pop rock, disco music, etc.
Eu já passei pelas duas fases. Em Restinga, onde morei, fiz aquele Carnaval da Quarta Colônia. Cinco municípios percorridos e depois enterro dos ossos. Os mais legais eram Restinga mesmo e Polesine. Faxinal também é bom. Mas agora não encararia fazer mais isso. No momento estou mais no segundo grupo, que gosta da folga do feriadão. Claro que não dispenso uma cerveja. Hoje mesmo vou no Macondo na festa Studio 54. Eu até gosto de ver os desfiles da Sapucaí; acho bonito e tal, mas sempre durmo na segunda escola da noite.
O que eu acho engraçado é ler as notícias sobre Carnaval. Hoje li no Terra que a Ivete fez uma apresentação abatida e séria no trio elétrico. Ela declarou na imprensa que tinha tido uma caganeira e perdido 2 kg. Ai, ai...coisas de carnaval. Quando vejo uma multidão, de um milhão de pessoas, seguindo os trios elétricos, penso que não conseguiria ficar no meio daquela multidão pulando, pulando, pulando...deus do céu!!! E o tal do carnaval do beijo. Todo mundo procurando um pra beijar mesmo que seja estranho. De repente bêbada talvez eu conseguisse entrar na brincadeira. Dizem que em Salvador tem que pagar uma baita grana para entrar nos famosos blocos...
E tal da Cláudia Leite. Como puxam o saco dessa mulher... A mãe foliona, cantora, que passa horas em cima do trio elétrico amamentando o filho ao mesmo tempo. Nossa, que exemplo de mulher!!! Linda, com um corpaço, canta bem e é mãe. Nossa! Quero ser a Cláudia Leite quando eu crescer...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

O Cinema em SM e suas peculiaridades

Sempre quando um santa-mariense vai ao Cinema alguma coisa desagradável acontece na sala. Geralmente, algum problema. Pois ontem, no meio do filme que estava vendo, uma musiquinha começa a tocar. Parecia de um celular, mas depois de vários minutos tocando, percebemos que não era um celular. Passam-se mais de cinco minutos e a musiquinha continua tocando e não era do filme definitivamente. Aí uma guria levantou e foi chamar uma funcionária a qual foi até a cabine de projeção e depois de alguns segundos a musiquinha cessou. Poxa Vida. Eu não sei o que aconteceu, acho que o cara que estava projetando talvez tenha ligado algo e não se deu conta. MAS PERTURBOU! Fiquei de mau humor e não consegui prestar muita atenção no filme naqueles minutos de confusão. Que droga esse cinema. Sem falar que som é uma porcaria. Dolby digital que não serve pra muita coisa. E a tela. A impressão que tenho é que cada vez que vou ao cinema a projeção do filme na tela está cada vez menor.
Sem contar que a sessão do novo filme "O curioso caso do Benjamin Button" foi suspensa no início da tarde porque a cópia do filme ainda não tinha chegado na cidade. Como diz um amigo meu, o Leo Moreti: "isso é Santa Maria".

Operação Valquíria


Ai, ai. Hoje fui no cinema com o Alexandre Augusti, meu ex-colega de Faculdade de Jornalismo que hoje dá aula na Unipampa. A gente foi ver Operação Valquíria. Nossa! o nome impressiona, heim? Mas é só o nome mesmo porque o filme não tem nada de mais. É meio monótono. Eu até curto filmes parados, não sendo muito monótono porque senão eu durmo. Eu já tentei ver aquele filme "Bom Pastor" duas vezes, mas dormi nas duas tentativas.
Pois bem, Operação Valkíria é um filme bem feito. Tem uma história que acho que até vale a pena ser contada: que Hitler enfrentava resistência dentro de seu próprio exército, tendo grandes generais como seus inimigos. Fiquei tensa vendo o filme. Ele provoca um suspense, uma tensão interessantes porque tu ficas esperando para ver como aquilo vai terminar. Na verdade já sabemos que o General Rebelde, Tom Cruise, vai morrer no final porque a Operação acaba não dando certo.Mas somente no finalzinho isso acontece. Até o final, o filme leva a gente acreditar que Hitler teria morrido no tal do atentado e que os alemães rebeldes estavam com a vantagem. Esta tensão é um ponto positivo do filme. Mas também é só isso.
Alguns clichês: Tom Cruise, antes de ser fuzilado, adivinha o que acontece. Ele grita: "Vida longa a Alemanha" e pá! leva os tiros e tomba. Ao estilo: "Freedom!" que o Mel Gibson grita antes de ter sua cabeça decepada em Coração Valente. Ai, ai...
Outro clichê: o herói Tom Cruise se preocupa muito com sua mulher e filhos e até o final fica tentando telefonar para saber se eles estão bem. E no final ele tem um flashback do rosto da esposa, que, é claro, é muito, muito,muito apaixonada por ele.
E o Tom Cruise pra mim está com a mesma atuação de sempre. Aquela cara séria dos outros filmes dramáticos que já fez. Não vi nada de especial em sua atuação. É convincente. Pelo menos a cara dele tem que ser convincente para um filme ambientado na Alemanha com todo mundo falando inglês.
Ha, e tem uma hora que os personagens falam tão sério, mas tão sério que dá vontade de rir...Olha a carinha de ratinho com a boca aberta do Tom nessa foto. hihi

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

MP gaúcho: criando problemas ao invés de resolvê-los

Poxa vida. Acabo de receber um email que me deixou muito de mau humor e muito triste. O Ministério Público do Estado determinou o fechamento das escolas do Movimento Sem Terra. Retrocesso. A Secretaria Estadual de Educação (de onde não se espera nada de bom) e o MP gaúcho assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta que determina o fechamento das escolas em sete acampamentos sem terra. Deveriam fazer um ajustamento da conduta deses dois órgãos pelo desserviço à educação que estão fazendo. O Ministério Público Estadual não é mais um poder independente; há muito tempo tem sido um braço do governo do governo do Estado, dizendo amém a tudo.
As escolas itinerantes funcionam há 12 anos. Os argumentos do Procurador de Justiça e integrante do MP, Gilberto Thums, são ridículos. Ele diz que os alunos dessas escolas são afinados ideologicamente com idéias extremistas. Por favor!!! Então vamos fechar a tal da Escola Tiradentes da Brigada Militar que ensina a disciplina militar aos alunos, que ensina sua ideologia. Não é a mesma coisa? E olha o que este carinha diz das escolas: "Isso provoca um ensino completamente fora dos padrões que o Estado tem que garantir. A idéia é que tenhamos um ensino com pluralidade de idéias e inclusão social". Meu Deus, meu Deus!! Que padrões de ensino são esses? Por que estas crianças não podem ter um ensino mais voltado a sua realidade? São escolas itinerantes e as crinças precisam acompanhar seus pais. O que as escolas do Estado têm de tão indispensável para essas crianças. Ensino com pluralidade e idéias de inclusão social? hahaha, faz-me rir, Procurador. Procurador de sandices, procurador de uma maneira de terminar com o MST. No ano passado, o MP chegou a sugerir a extinção do MST.
O email que recebi ainda diz que o governo do Estado está sucateando essas escolas, não enviando recursos e atrasando os salários.
Poxa, que tristeza. Que desserviço desses órgãos. Estou muito indignada.




quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Nos passos dos antepassados

Qua ze la cumiera”. Era isto que meu bisavô Alberto Fortunato Dalmaso dizia quando a chuva não vinha na localidade de São Sebastião, onde morou com seus sete filhos. Ele falava isto porque acreditava que ali no local existia uma cunha que dividia as nuvens fazendo com que elas passassem para o lado do rio Soturno ou para o lado do Vacacai mirim dividindo a chuva que teimava em não cair em São Sebastião. Esta foi uma das coisas que eu, meu pai e meu tio descobrimos na nossa expedição na Quarta Colônia à procura de mais informações sobre nossos antepassados.
Deoclécio Dalmaso, Irineu Dalmaso e Silvana Dalmaso saíram a campo na terça-feira, dia 17, para tentar descobrir alguma coisa sobre o trajeto de nossos avôs e bisavôs. Conversamos com muitas pessoas. Infelizmente as pessoas que mais poderiam nos ajudar já morreram. Queremos descobrir onde estão certidões de nascimento, casamento e óbito dos Dalmaso que nos originaram. Fomos a Restinga Seca, pois a região de São Sebastião pertencia a Cachoeira do Sul e depois ficou pertencendo a Restinga. Em Restinga, fomos no cartório pedir os documentos. A funcionária ficou de pesquisar.
Em São Sebastião encontramos o local onde meu bisavô morou. Hoje não há nada, somente uma lavoura de arroz. Conversamos com seu Aldorindo Druzian, que era vizinho dos Dalmaso. Nos contou muitas histórias. Disse-nos ele que os Dalmaso teriam saído dali para Caçapava em função da seca e de problemas com a família Borges que tinha terras ao lado e dificultava a passagem dos Dalmaso para outros lugares. Também descobrimos que um incêndio num paiol dos Dalmaso teria destruído máquinas e muitos produtos. É.... a vida realmente não era fácil.
Também passamos por Nova Palma. Colhemos muitas informações no Centro Genealógico, mantido por um padre de lá. Nesse centro eles têm o registro de todas as famílias italianas que nasceram na Quarta Colônia. Além de pegarmos muita informação, também servimos de fonte, pois eles não tinham registros dos Dalmaso nascidos em Caçapava.
Meu bisavô Alberto Dalmaso, filho de Marco Dalmaso e Santa Scaglia, nasceu na Itália. Encontramos sua certidão de nascimento. Bom...ainda estamos à procura de informações. Queremos saber para onde os Dalmaso foram depois de chegarem a Silveira Martins onde estava o lote destinado a eles. Hoje, o tio foi no cartório de Silveira, mas não encontrou nada ainda.
Belo trabalho investigativo.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Entrevistas e intenções estranhas

O Jornal A Razão deveria ser chamado para ser testemunha de defesa dos réus da Operação Rodin. Falo isso por causa da frequência de publicações de entrevistas com os indiciados de Santa Maria. Neste final de semana, foi publicada uma entrevista com Sarkis. É a terceira ou quarta vez que vejo o Sarkis se defendendo através do Jornal. No ano passado, no mínimo duas grandes entrevistas foram feitas com o tal do Silvestre, que era presidente da Fatec. Também já foi publicado um artigo na página de opinião da filha de José Fernandes falando da seriedade do trabalho da empresa deles, a Pensant, e do abalo psicológico que a família está sofrendo por causa da Rodin. Não me comovi com o apelo, mas não posso dizer o que o público achou da manifestação. Parece que o tal do José Fernandes está em profunda depressão. Os motivos de tanto deprê são dúbios, hehe.
O caso é que estranho este empenho do Jornal A Razão em dar tanto espaço para os réus se defenderem. Acharia normal se o Jornal também desse o mesmo espaço para o Ministério Público Federal ou para a Polícia Federal. Mas não...o que vejo é uma intenção em tornar públicos os esclarecimentos dos réus. Na minha opinião, não é papel do Jornal fazer isso; ainda mais nesse momento em que as testemunhas estão sendo ouvidas. O Jornal A Razão fez uma fraca cobertura da Rodin, mas dá páginas e páginas de entrevistas com réus. Por quê?
Se Sarkis, Silvestre e companhia forem realmente inocentes, a Justiça poderá dizer. Eu tenho uma tendência a acreditar que a Política Federal e o MPF são instituições sérias que não iriam indiciar pessoas sem ter razões para isso. Mas, sei lá...posso estar errada.
A entrevista do ex-reitor na edição deste final de semana só mostra que estão todos loucos para saber e "pegar" o tal do professor que fez a denúncia anônima para o Ministério Público. o professor que deu origem a tudo. Por enquanto, a Justiça está preservando seu nome, mas talvez um dia isso vaze... e coitado...
Para Sarkis, tudo que foi denunciado foi motivado por disputas políticas. Diz ele na entrevista: "Acredito que se o nome do tal professor da denúncia anônima for informado pelo MPF, que guarda sua identidade, poderemos compreender melhor quais forças se reuniram para plantar essas mentiras". Aham. O pior não foi isso. Sarkis ainda critica o trabalho do MPF: "Muitos poucos entendem que o Ministério Público Federal possa lançar essas acusações com base em meros exercícios mentais", diz ele na entrevista. Exércícios mentais?????? O que ele quis dizer com isso? Alguém sabe?

Alunos dão um show na formatura das Ciências Biológicas

É raro ouvir bons discursos em formaturas, independente da instituição. Mais raro ainda é ouvir bons textos dos alunos, seja dos oradores como dos que fazem a homenagem aos pais. É complicado mesmo reunir as palavras certas em uma folha de papel. Mas, na sexta-feira, no Avenida Tênis Clube, os formandos da turma de Ciências Biológicas deram um show no que se refere à qualidade dos discursos proferidos. O que se ouviu foram textos carregados de sinceridade, honestidade e sentido, e que emocionaram o público. Como irmã de uma formanda, eu estava lá entre as centenas de pessoas que assistiram à bonita colação de grau dos futuros biólogos. Esta turma merece os parabéns mesmo...
As oradoras falaram do que é ser biólogo ou bióloga, de uma forma muito verdadeira. Um discurso sem tantas particularidades da turma, mas com um sentimento de coletividade, demonstrando que a Biologia se preocupa com o mundo, reunindo nesse mundo a natureza e as pessoas. As oradoras falaram do que significa ser biólogo hoje e os desafios a serem enfrentados. Foi muito bom mesmo;
Mas bom mesmo foi, desculpe, o discurso de homenagem aos pais elaborado pela minha irmã Alice. Tudo bem, tudo bem, sou super suspeita pra falar, mas tenho que dizer que o discurso dela foi muito bom. Diferente de todos os discursos de homenagem aos pais que já ouvi. Geralmente os discursos são semelhantes, até porque neste tipo de discurso já há estruturas pré-fixadas de pensamento. Mas a Alice mandou muito bem. Foi original porque mencionou os irmãos, os quais muitas vezes são esquecidos, mas que, como os pais, contribuem para a formação. No caso da Alice, que é a mais nova, isso é mais significativo ainda. A coitadinha viu todos nós nos formarmos e conviveu muito com a gente durante sua faculdade. Nessa parte, eu chorei, chorei bastante. Ela emocionou a nós três: eu, Lúcia e Pedro, seus irmãos. Parabéns Alice! Parabéns pelo teu texto, parabéns pela Formatura.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Uma homenagem a Alice

A minha irmã mais nova, a Alice, se forma, nessa sexta-feira, em Ciências Biológicas pela UFSM. Para quem não sabe, tenho três irmãos, duas garotas, um garoto. Só faltava ela se formar. Ainda bem! Agora acabou! Não há mais ninguém para se formar. Pois então...Para homenagear a Alice, eu fiz um videozinho caseiro com algumas fotos familiares e vou disponibilizar neste blog.
Parabéns Alice! Você às vezes é chatinha, mas eu te adoro mesmo assim.
video

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Telejornais: não sei por que ainda assisto

Cinismo, cinismo, cinismo....Está complicado de ver os telejornais brasileiros. É claro que nada se compara ao ensaboado Jornal Nacional, que tem sido alvo de blogueiros por ocultar notícias. Semana passada, simplesmente as edições não noticiaram um caso de corrupção do governo de Gilberto Kassab. Escolheram não dar a notícia. Claro né. O DEM vai se unir ao Serra nas próximas eleições presidenciais e a preferência da globo pelo candidato do PSDB é pública e notória.
Mas não é só o Jornal Nacional. O Boris Casoy por exemplo. O cara só fala merda, merda, merda. Ele dá a notícia e depois do VT ele muda de câmera. Seu rosto (nada agradável) fica em close para ele fazer seus supercomentários, opinando sem argumentos, acusando, julgando, e no final, ele fecha o comentário com a célebre frase ridícula: "Isso é uma vergonha!". Ai, que raiva, que raiva. Isso me deixa muito irritada, muito mau humorada. Casoy, por favor, vai se aposentar e pára de falar tanta besteira. Ficou velho e mais idiota ainda. Mas ele não está sozinho em sua idiotice. O Joelmir Beting, coitado, faz uma ponta diariamente no Jornal da Band. Ao lado do apresentador, o também cínico Ricardo Boeshat, Beting se limita a fazer pequenos comentários, totalmente desnecessários, e sobre todos os assuntos.
Ai, não quero saber destas opiniõezinhas. Por que não se limitam a ler as notícias e pronto. Já chega ter de aguentar as risadinhas e comentários dos apresentadores nos nossos jornais locais ao fim de cada vt apresentado. Agora virou moda: os apresentadores são seres humanos que fazem caras e bocas no final de cada reportagem mostrando sua alegria ou revolta, querendo dizer que sentem as coisas. Sentem o c*****o. Ai, que irritação isso. Que mau humor que dá. Acho que é este calor insuportável que está fazendo. by

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Rodin: performances jurídicas e pouca informação

Interessante ler as matérias jornalísticas sobre os depoimentos da acusação dos réus da Rodin que começaram há alguns dias. As manchetes são risíveis. "Testemunhas da acusação depõe. Defesa gosta" ou "Defesa avaliou como positivos os depoimentos de acusação da Rodin". Ai, ai...Isso me faz pensar que todos os réus deverão ser absolvidos. Eu cheguei a pensar que não, que eles seriam condenados, pois acredito no trabalho na Polícia Federal e acredito que houve, sim, irregularidades e que muita gente enriqueceu com esta superparceria Detran/UFSM/Fatec/Sistemistas. Mas, pelo que se vê, os réus estão pagando muito bem seus advogados que aproveitam os depoimentos e a presença da imprensa para exercitarem suas performances como os advogados dos grandões. Advogados que estão comemorando o fato de algumas testemunhas estarem se contradizendo ou negando informações já dadas para a Polícia. Advogados que enchem a boca para dizer que os depoimentos das testemunhas na Polícia foram "induzidos". Agora querem que a justiça desconsidere os depoimentos do inquérito policial. Não sei por que, mas está na cara que esta Rodin talvez não dê em nada. Pelo jeito, os depoimentos da acusação não está lá muito contundentes, e que as pessoas não sabem de muita coisa. Não sei também se dá pra confiar nessas testemunhas de acusação. Talvez elas estejam sendo pressionadas ou "compensadas". E depois ainda vão depor as testemunhas de defesa. Me disseram que a defesa vai indicar 400 pessoas, algumas até de outros países. É óbvio que é de propósito, para prejudicar todo o processo e fazer alguns crimes prescreverem. Isso me deixa triste.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Mino Carta surta. Decepcionado com o jornalismo, o governo Lula e Tarso, se despede do seu blog

Nossa! Muito estranho...Nos últimos dias, Mino Carta, editor da revista Carta Capital e blogueiro estava enfrentando fortes críticas por seus internautas devido a seu posicionamento contra a decisão do ministro Tarso Genro no caso Battisti. Foram vários textos publicados sobre o caso e muitos comentários confrontando seus argumentos. Normal quando um jornalista conhecido coloca a cara tapa ao criar um blog; e ainda responder aos comentários, como ele costuma fazer. Nestes caso do Battisti, foram tantas manifestações que ele não conseguiu responder a todos. Em seus textos sobre o italiano, Mino, que é italiano, disse que Tarso "afrontou gravemente o Estado italiano ao comparar, na prática, a Itália a Darfur". Muitas reações de internautas surgiram após estas afirmações. Destaco que Mino, como é de prache, justifica muito bem sua opinião sobre o caso Battisti, fazendo até com que a gente fique em dúvida sobre a história toda.
Hoje, para minha surpresta um post de Mino, em seu blog, chamado "A despedida". E abaixo do post, muitas, mas muitas manifestações de internautas sobre esta decisão no mínimo estranha. Em sua despedida, Mino fala da sua desilusão com o jornalismo, da ditadura militar, da sua decepção com Lula, e do caso Battisti. Não dá pra entender bem porque ele fala de tudo isso em sua despedida do blog. E tem umas coisas meios contraditórias também. Chama o bolsa-família de esmola e depois diz que o Brasil é um dos piores países em distribuição de renda. Mas, enfim...espero que o Mino volte atrás porque gosto do Blog dele. Se alguém quiser ler a despedida, é só clicar no link da mina lista de blogs.

Bah. E não é que não vai ter mesmo carnaval na Liberdade

Então se confirmou, para o meu descrédito. Não vai ter mesmo o desfile das escolas de samba na Avenida Liberdade. Que pena. O Diário de Santa Maria trouxe detalhes na edição de hoje. Coisas que eu desconhecia como um convênio mal feito entre Prefeitura e Associação das Escolas, muito rigor nas regras da prestação de contas etc. Mas o principal motivo é a falta de tempo hábil para preparar tudo até o dia em que ocorreriam os desfiles.
No post anterior, o Aramis fez um comentário bem interessante. Ele disse que as escolas devem se profissionalizar para não ficarem dependentes do Poder Público. Realmente. Talvez fosse melhor se as escolas buscassem outras formas de buscar recursos que não fosse somente o valor destinado pelo orçamento municipal.
Bom....que pena que não teremos desfile. Fico com pena dos integrantes das escolas que já estavam preparando suas apresentações.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Carnaval de rua de SM. Quanta enrolação...

Poxa...tem certas coisas que realmente me deixam de mau humor. Primeiro: admiro muito esta vontade da nova administração de fazer as coisas "certas", de passar o pente fino nos procedimentos, de cobrar que tudo esteja "dentro da lei". Legal, legal. Só que às vezes parece que há uma intenção de criar dificuldades mesmo. Estou falando do Carnaval de rua de SM. A associação das escolas de samba ainda não recebeu os recursos porque a prestação de contas de 2008 estava errada, com algumas coisas faltando. Tá, tudo bem. Devem ter ratiado mesmo. Erraram. Demoraram demais pra entregar e acho importante que se preste contas do dinheiro público aplicado. Mas, me parece que a Prefeitura não está muito afim que o Carnaval de rua saia. A data do desfile na Avenida Medianeira está marcada para o dia 15 de março. Já ocorre depois do feriadão de Carnaval por conta do atraso na liberação de recursos. Pelo jeito que estão indo as coisas, é capaz de não sair nem nesta data. Parece que há chances dos recursos serem liberados até o final da semana. E o pessoal das escolas devem estar esperando o dinheiro. Afinal, não há outra forma de conseguir os recursos. Pelo que a imprensa tem publicado, são detalhes insignificantes que devem ser ajustados na tal prestação de contas...pois é
E o nosso novo secretário de Cultura vem dizer que "carnaval de SM não é só de rua". Claro que não é. O Carnaval de Santa Maria é dos clubes sociais. Todo mundo adora ir no ATC pular carnaval e os não sócios pagam caro. Clubes, clubes, clubes. Para quem não tem condições financeiras de ir a estes recintos, resta ir os ensaios das escolas, os clubes populares e a Avenida Liberdade. Ano passado eu fui no Carnaval de rua e adorei. É uma festa encantadora, e a gente sente o quanto os integrantes das escolas se esforçaram para chegar naquele momento de desfilar na Avenida. É contagiante a alegria daquelas pessoas, idosos, idosas, crianças, de todos os bairros e vilas da cidade, que, com muito amor, desfilam por sua escola. Secretário Roth: Santa Maria precisa sim do carnaval de rua. Vamos liberar a bufunfa!!! Não é nem um favor!!

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Paim presidente. Por que não?

Eu sou a favor do Paulo Paim candidato a presidente do Brasil. Sim, sim, por que não? Por que tem que ser a Dilma? Por que o Lula prefere? Eu não prefiro. Admiro muito ela, e o seu perfil técnico, coisa e tal. Acho que ela é competente, séria, bla, bla, bla. Mas, o Paim tem uma trajetória política, inclusive no PT, bem maior que a dela. A Dilma era do PDT. Só foi para o PT no governo Olívio. Eu não sei por que o Lula se encarnou nela. Será que é por que ela gerenciou bem o PAC e tem esse perfil "técnico", tão admirado por todos, ou será porque ele acha que o PT não tem um nome melhor. O Paim é um bom nome.
Agora, o que me dá raiva é ler no jornal: "Senador não empolga cúpula do PT", "PT não concorda com mobilização de Paim". Os dirigentes dizem que este movimento Pró-Paim não tem respaldo nenhum do partido. Não ter respaldo no partido é ruim para o partido, mas vejo como positivo que a mobilização seja de outros setores sociais como os aposentados e o movimento negro. Mas, pelo PT, o martelo já está batido em Dilma. Acho engraçado que o Lula faz questão de se manter independente do PT; todos dizem que ele é "maior que o PT". Mas então por que o PT acata de imediato a candidata preferida dele? Por que o Lula está pautando o PT no que se refere à candidatura à Presidência? Se o Lula não é o PT porque o PT não pode discutir melhor o seu candidato a Presidente?
Ha, sei lá. Será que o PT acha que a eleição está ganha? É claro que não se pode afirmar que se for a Dilma a candidata o PT ganha e se for o Paim não ganha. Eu poderia dizer que acho que o Paim tem mais chance de vencer do que a Dilma. Será que o PT faz esta avaliação de potencial eleitoral dos possíveis candidatos?
O Paim deu entrevista pra Zero Hora no domingo. Disse ele: "Depois de tantos anos de vida pública, me sinto em condição de saber administrar ou governar de forma coletiva". Então...