segunda-feira, 16 de março de 2009

Sem saída: vai estudar


Ciberespaço, territorialização, dispositivos digitais, comunicação, convergência, processos midiáticos, midiamorfose, narrativas transmidiáticas, enunciação, semiologia, modalidades de significação, docência orientada. Ahaaaaaaaaaaa!!! Uma semana de aulas no Mestrado e o pavor. Tenho que estudar tudo isso!! Tenho que saber tudo isso?
Uma semana de aula e já estou enlouquecida com tanta coisa pra ler. Livros e mais livros. Xerox e mais xerox. E não é só ler. É ler, entender e falar sobre o texto nos famosos Seminários e ainda entregar resenhas. Algumas coisas eu estudei na Faculdade, óbvio, mas isso já faz sete anos. Não lembro mais de nada.
Também quem mandou entrar no Mestrado. É isso aí. Chega de preguiça, é preciso estudar. Não estou reclamando porque queria muito fazer esse Mestrado. Só estou desabafando. Vou ter que abrir mão de várias coisas para poder estudar: menos tempo navegando na web ou conversando no MSN, menos saídas na sexta-feira de noite, menos filmes e televisão, menos exercícios físicos, menos literatura, leia-se romances, (esse é o pior).
Claro que estou exagerando. Até parece. Mas tenho que cair na real. Hoje fiquei uma hora na fila para fazer a maldita carteirinha da ATU e poder cobrar passagens de ônibus. Vida de estudante não é fácil mesmo. Eu já tinha me esquecido de como era. Chega de bla, bla, bla. Tenho que fazer uma resenha para entregar amanhã. E ainda não li os textos, hihi.
(Na foto, Alice Copetti Dalmaso registra o momento de pânico da garota)

9 comentários:

  1. Bem vinda novamente ao mundo dos "sem": sem paciência pra fila absurda da ATU; sem vontade de esperar a fila do RU pra comer; sem dinheiro e sem tempo pra tirar as 25657478478 cópias de xerox (sem contar o desperdício de papel); sem lugar pra sentar nos ônibus da Gabardo...ai,ai,ai, mas não dá pra reclamar,nééé? Pô, Universidade pública e GRATUITA!!!Hã!Hunf!

    ResponderExcluir
  2. Por favor, só não deixa de namorar.. hehehe.. Quanto a mim, sou do contra. Estudar? Isso que você e minha cônjuge tanto adoram? Na-na-ni-na-não. Sou mesmo é do chão de fábrica. Hehehehe.

    ResponderExcluir
  3. Ai Claudemir..pelo jeito a tua esposa, eu e a Sivana gostamos mesmo de estudar. Temos que abrir mão de "quase" tudo.
    Sil, quero te ver dando aulas em universidades.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Pois é Clarissa. Acho que tu ainda é bem mais estudiosa do que eu. Tenho que ser menos dispersiva e mais focada nos estudos.
    Claudemir, seu operário! A fábrica também preciso de teorizações.

    ResponderExcluir
  5. filhote da ditadura17 de março de 2009 14:43

    ah, mas pra "garota" não serve mesmo!!! não cozinha na primeira fervura, né, sil?!rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Garota, nesse contexto, não está relacionada com idade, e mais com um estado de espírito. No me caso, quando se fala em nível de conhecimento e leitura me sinto uma garota.

    ResponderExcluir
  7. Bah, adorei a foto do livro do Berger e Luckmann... é colega, bem-vindas sejamos ao mundo do "ler, ler e ler", e "escrever, escrever e escrever". Minha pilha de livros e xeros está ali ao lado me olhando... Vou lá!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Sim, depois do pito que levei da minha orientadora, vou ter que realmente me orientar e parar de mexer tanto em blogs ou ficar no msn. Tb tô indo ler. Tchau.

    ResponderExcluir
  9. Olha o meu livro ali! POis é...achei que não ia mais precisar ler "A construção social da realidade", que traz aqueles exemplos ridículos dos guerreiros gays e do casal hetero que tem como parceira uma lésbica para vender flores nos fundos da ilha. Por favor, Berger e Luckmann colocavam as experiências pessoais e tumultuadas para explicar suas teorias e acabavam confundindo todo mundo. O pior é que esse livro ficou socado no canto inferior da prateleira. Depois de mais de 10 anos, muitos ácaros e fungos depois, tive abrir esse 'crássico' da sociologia. Viva o cheirinho de guardado. hehehe

    ResponderExcluir